Kalevipoeg, o Épico da Estônia

Faça sua aquisição em uma das lojas abaixo clicando nos botões correspondentes – Você será direcionado a página de compra do produto na loja de sua escolha

Visite também o site do tradutor em bildaescritor.com

(Livro Físico e eBook Kindle)
(Versão eBook)
*Distribuído por Clube de Autores

A história da Estônia pode ser resumida por uma notável e copiosa lista de heróis obstinados em uma longa defesa da autodeterminação nacional-popular contra invasores e culturas estranhas que buscam de modo ou outro corroer sua liberdade em todos os domínios. Assim é exatamente, como veremos, a epopeia do filho de Kalev, o Kalevipoeg: o frondoso gigante loiro solitário, um tanto desajeitado é verdade, mas bem-quisto por Taara e por todos os deuses, protetor da natureza, amigo dos pequenos animais e do próprio povo. Tal como a Ilíada é uma alegoria nacional para o povo aqueu-heleno jovem e conquistador, o Lusíadas uma alegoria para o português aventureiro, e o Fausto para o erudito germânico, o Kalevipoeg é o símbolo da resistência estoniana, que mesmo diante de inimigos sempre mais numerosos, não dá passos atrás, mas salta à frente; mesmo quando lhe falta uma espada, o gigante estônio arranca uma árvore inteira e a transforma numa clava esmagadora; mesmo que os mais poderosos feiticeiros pareçam invencíveis, não lhes dá ouvidos aos encantamentos, mas subjuga a sombra e a ilusão com pensamentos honrados, atos nobres e punhos firmes. Despreza as facilidades de varinhas mágicas porque prefere fazer tudo com as próprias mãos e mérito. Sabe ser feroz em combate, como sabe ser alegre em festas. Tem a inocência de uma criança e a sabedoria de um filho dos deuses. Não dispensa tesouros, mas também não os guarda para si: empreende jornadas inusitadas em nome do bem-estar e segurança do diligente trabalhador estônio, preocupando-se em dar-lhe pontes, muralhas, casas e riquezas. E vítima, ao final, da consequência de um erro próprio (pois que como todo herói, Kalevipoeg comete imprudências, mas como raros experimenta o amargor do arrependimento) é ainda muito celebrado pela corte dos deuses e aguarda, pacientemente, pela grande conflagração final, onde se erguerá em defesa de sua terra e sangue.


Sobre o tradutor

Jonas Otávio Bilda

Livre-pensador. Psicólogo e Filósofo. Autodidata em História, Religião, Literatura e Política. Tradutor e revisor. É autor de pesquisa acadêmica sobre Psicologia Clínica em “O Alvorecer das Artes do Ser” (Luminária, 2016), de ensaios filosóficos sobre Educação em “Cartas de um Solícito Acompanhante” (Multifoco, 2018), tradutor e organizador do “Livro de Veles” (Multifoco, 2020), de obra filosófico-política em “A Civilização Eterna” (Clube de Autores, 2020), tradutor e organizador do “Kalevipoeg, o épico da Estônia” (Clube de Autores, 2021) e da “Instrução de Amenemope” (Clube de Autores, 2021). Amante de Alta Cultura e tradutor de vários livros anonimamente.

Dimensões 21 × 14 × 1 cm
ISBN

978-65-865-0742-3

Número de páginas

161

Edição

1ª (2021)

Formato

(14×21)

Acabamento

Brochura com orelha

Tipo de papel

Pólen

Miolo

Disponível em preto e branco/Colorido

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.

Você também pode gostar de…

Carrinho de compras